sábado, 29 de novembro de 2014

Adeus, PD James!

PD James faz parte de uma saga de escritoras de romances policiais
que nos deram tipos inesquecíveis como  os detetives
 Cordélia Gray e Adam Dalgliesh criados pela escritora.

2014 parece um ano de extermínio.  No dia 27 de novembro, morreu a escritora inglesa Phyllis Dorothy James, Baronesa James de Holland Park, título concedido a ela pela Rainha Elizabeth II. PD James, como era mais conhecida, é uma das minhas escritoras preferidas no mundo das histórias policiais, um gênero que sempre povoou minha cabeça e que hoje me mostra que eu gostaria de ser um escritor de livros policiais. Mas isso será apenas um sonho, nada além disso.

PD James morreu aos 94 anos e sempre penso que a imortalidade do autor conferido pelas obras deveria ser também a do mortal. Escritores deviam ser como vampiros, viver mais de 500 anos, com juventude eterna e mente criativa para produzir o máximo que pudesse. Mas são mortais e deixam o vazio dessa ausência.

Perdemos as referências de nosso tempo, não importa se essas pessoas morem na mesma cidade que a gente, ou em Oxford, como PD James. É como se fossem parentes de convivência tão próxima que dizer adeus fica difícil.

Preciso acreditar que essa saudade é boa e que vai me fazer olhar a vida com gosto. Por hoje é só. Não sinto vontade de escrever. Aliás, há algumas ideias tomando forma e alguns textos em produção. Preciso mergulhar de novo nas águas das letras e ver o que trarei à superfície.


Adeus, PD James!